Prototipagem Rápida em Arquitetura - Virtual a Físico

Nossa entrada de blog mais recente. Por Piet Meijis, Especialista em Impressão 3D em Rietveld Architects.

Em posts anteriores, eu falei do quadro mais amplo da implementação da Prototipagem Rápida na prática da Arquitetura. Mas não falei realmente sobre o processo real de ir de um projeto a um modelo físico. Em meu último post, eu toquei um pouco no nosso fluxo de trabalho, mas vou elaborar isso melhor aqui hoje.

Fase do Projeto
Todo modelo começa com um projeto. Os desenhos em nosso escritório são sempre relacionados a planejamento. Isto significa que o modelo tem que refletir um solução de projeto específica que foi criada para uma tarefa de projeto específica com seus próprios parâmetros específicos. O projeto costuma iniciar como um esboço manual bruto que poderá ou não ser refinado à mão.

Fase Esquemática
Uma vez que os esboços do projeto inicial estão completos, eles são então digitalizados em software CAD. Dependendo da complexidade do projeto, começamos com desenhos em linha 2D ou vamos diretamente a um modelo 3D de massificação simples. Estes desenhos da configuração inicial são para distribuir o projeto com as dimensões e proporções corretas. Esses desenhos ou modelos esquemáticos de computador podem ser usados para verificar se o programa se adéqua e para ver se a massificação do projeto faz sentido. Neste ponto, ainda é fácil adaptar o projeto para fazer o programa adequar-se mantendo o objetivo do projeto inicial.

Modelagem 3D
Uma vez que os desenhos de linhas esquemáticas ou modelos de computador estejam prontos, podemos começar a trabalhar no modelo 3D de computador que será enviado para a impressora 3D. Esta parte é obviamente a mais crucial para o modelo de impressão.

Neste ponto, temos que interpretar o projeto que saiu da Fase Esquemática. Isto significa que temos que voltar o objetivo do projeto inicial desde a Fase do Projeto. O que era exatamente que queríamos realizar? Queríamos uma construção sólida e transparente? É a parte estrutural do projeto ou devia ficar escondida? O contexto é importante? etc. Temos sempre que olhar de volta para o objetivo inicial do projeto e manter isto em mente ao tomar decisões. De outro modo, você corre o risco de terminar com um projeto que é tão cheio de comprometimentos que não possui mais nenhuma relação com a tarefa do projeto original.

O próximo passo é determinar qual será a escala do modelo. Diferente do projeto industrial, modelos arquiteturais raramente são numa escala de 1 para 1. Mais frequentemente, eles são numa escala de 100 ou 1000 vezes menor do que na realidade. Isto cria todo um novo conjunto de desafios, porque quando um projeto tem uma escala tão baixa, certos elementos importantes podem desaparecer, enquanto outros elementos não essenciais podem começar a desordenar o modelo. O truque é, portanto, entender quais são os elementos importantes a fim de transportar o objetivo do projeto como ele foi iniciado na Fase do Projeto. Os elementos que não são importantes podem ser deixados de fora completamente enquanto as partes importantes podem ser aumentadas de tamanho para enfatizá-las. Não há regras estritas para isso, mas aprendemos com a experiência o que funciona e o que não funciona, e quando temos uma situação nova, normalmente imprimimos múltiplos modelos de teste para ver qual solução funciona melhor para comunicar o que queremos.

Uma vez que tenhamos feito todas essas determinações, basicamente criamos um projeto para modelo de impressão. Este projeto de modelo pode ser melhor descrito como uma caricatura abstrata do projeto de construção. Este modelo não é mais uma versão em escala pequena do projeto de construção, mas comunica exatamente o objetivo do modelo.

O projeto do modelo é então trabalhado ou no SketchUp ou no ArchiCAD. Uma vez que a geometria básica do projeto esteja pronta, nós exportamos o modelo para o Rhino. No Rhino, conseguimos usar o Grasshopper para aplicar texturas a certas superfícies e podemos usar ferramentas de verificação da malha para verificar se nossa geometria é limpa e impermeável.

Impressão 3D
Do Rhino, exportamos o modelo para um arquivo STL. Esse arquivo é carregado no software do Objet para colocar o modelo na bandeja de construção da impressora 3D. Esse software também se encarrega de fatiar o modelo e enviar as fatias individuais à máquina do Objet para ser impresso.

Atualmente, só usamos material Branco Rígido do Objet para a impressão real do modelo. Para nós, esta foi uma escolha muito óbvia. Cores em modelos arquitetônicos são muito frequentemente interpretadas como materiais. Então, você corre o risco de seu cliente pensar que tem um prédio azul se você lhe mostrar um modelo feito de um material azul. Material branco é mais frequentemente visto como uma folha de papel em branco. Isto funciona muito melhor, porque quando o modelo é feito assim no processo do projeto, ainda não está claro o que o material deve ser. Branco pode, portanto, representar nada ou qualquer coisa.

Limpeza
Quando o modelo é impresso, ele precisa ser limpado. A máquina Objet usa um material de modelo líquido e um material de suporte líquido. Estes materiais são colocados na bandeja em fatias e endurecidos com luz UV. O material de modelo endurece em um estado sólido e o material de suporte endurece em um estado mais flexível.

A remoção do material de suporte é provavelmente a parte com menos tecnologia do processo inteiro. Usamos uma mistura de utensílios plásticos, clipes de papel e um jato d’água para limpar nossos modelos. A chave é encontrar ferramentas que ou se curvam ou se quebram antes do modelo. E se pequenas partes se quebram, elas são facilmente coladas de volta uma vez que o modelo for limpado completamente.

Pintura
Quando tudo no modelo é branco, corremos o risco de o modelo parecer uma massa branca sólida. Para contrabalançar isso, gostamos de pintar certas partes do modelo de uma cor bem contrastante, frequentemente vermelho. Costumamos usar núcleos de transporte vertical para isso. Eles podem ser facilmente impressos separadamente e fornecem um ótimo furo contínuo através do modelo que auxilia o processo de limpeza. Este elemento pintado, quando posto no lugar, oferece um plano de fundo para outros elementos. Agora a fileira de colunas brancas finas não parece mais um grande borrão - você pode realmente ver cada coluna separadamente.

Outra vantagem que tem em usar uma cor muito forte é que o material de modelo branco parecerá mais branco. Isso tem a ver com o olho humano só ser capaz de ver um certo espectro de cores. Quanto mais perto estiverem as cores, mais sensível é o olho às diferenças de cor. Então, quando branco creme é posto próximo a um vermelho muito saturado, ele parecerá branco puro.

Fotografando
O passo final é documentar todos os nossos modelos com fotografias. A maioria de nossos modelos é dada a clientes e fica com eles. Às vezes trocamos um modelo novo pela versão mais antiga para exibir em nosso escritório, mas ainda queremos fotos da maioria dos modelos atuais. Estas fotos não são usadas apenas para relações públicas em nosso site e em nosso iBook, mas também em apresentações para clientes potenciais.

 

Este post também está disponível em: Chinês, Inglês, Francês, Espanhol, Korean

Deixe um comentário

*