Lâminas de crânio impressas em 3D para permitir o crescimento

3d printed skull

Pedro Yoshito Noritomi, pesquisador da Divisão de Tecnologias Tridimensionais (DT3D – CTI) mostra próteses de caixa torácica produzidas com a tecnologia de impressão 3D Stratasys

O instituto de pesquisa federal CTI Renato Archer, localizado em Campinas, São Paulo, possui um setor dedicado especificamente à tecnologia 3D. Mais de 30 doutores, professores e outros especialistas em tecnologia 3D trabalham nessa divisão, conhecida como “DT3D”, e transmitem suas descobertas e seu conhecimento para centenas de parceiros de hospitais, empresas e outras instalações de pesquisa na América Latina. O CTI Renato Archer possui impressoras 3D FDM e PolyJetda Stratasys, as quais são usadas em pesquisas nas áreas de medicina, exploração energética, manufatura e mais.

Uma das inovações desenvolvidas em conjunto com a equipe do DT3D no CTI Renato Archer é o software InVesalius , o qual “traduz” imagens 2D (provenientes de equipamentos de tomografia computadorizada ou ressonância magnética) em arquivos de reconstrução 3D prontos para serem impressos. O InVesalius, cujo download é grátis (e o código é livre), é usado em instalações médicas em mais de 80 países.

Jorge Vicente Lopes da Silva, chief of Tridimensional Technologies Division (DT3D - CTI), shows 12-year-old boy skull model produced on an Objet350 Connex multi-material 3D Printer. This child suffered an accident and lost part of his cranium.

Jorge Vicente Lopes da Silva, líder da Divisão de Tecnologias Tridimensionais (DT3D – CTI), mostra o modelo do crânio de um menino de 12 anos produzido em uma impressora 3D Stratasys Vantage-Si. Essa criança sofreu um acidente e perdeu parte do crânio.

Em 2007, representantes da DT3D auxiliaram na reconstrução do crânio de um menino de 12 anos gravemente ferido em um acidente. O desafio não era apenas reconstruir parte do crânio, mas também acompanhar o crescimento normal da criança. O pesquisador do DT3D Pedro Yoshito Noritomi explicou: “Se usássemos uma prótese convencional na cranioplastia, o dispositivo seria rejeitado devido ao crescimento da cabeça do paciente. Outro risco seria a deformação do crânio”.

Uma solução foi encontrada para esse caso complexo usando protótipos produzidos em uma impressora 3D Stratasys Vantage-Si (tecnologia FDM). “Em vez de uma prótese única, criamos um dispositivo no qual cada uma das quatro partes era sobreposta à outra, sendo capaz de deslizar suavemente e acompanhar o processo de crescimento do paciente. Assim, o tamanho da prótese iria aumentar junto com o espaço no interior do crânio”, disse Noritomi.

Os modelos de crânio, por sua vez, produzidos em uma impressora Stratasys 3D multimaterial Objet Connex 350 no Renato Archer foram muito valorizados, principalmente, em função de sua extrema precisão. “A impressora 3D Objet Connex pode gerar camadas de dois centésimos de milímetro”, disse Noritomi.

Graças a essa inovadora prótese, prototipada com a tecnologia de impressão 3D PolyJet, a vida do jovem foi salva. Ele agora tem 18 anos e está totalmente recuperado da lesão.

Ajudar médicos e pesquisadores a realizar seus trabalhos mais criativos e inovadores é um dos maiores benefícios da impressão 3D!

Este post também está disponível em: Inglês, Espanhol

Comentários

  1. Prezados gostaria de informações de como adquirir esse equipamentos.

    Att

    Hesio Oliveira

Deixe um comentário

*